Gerais

Estarrecedor - Polícia confirma que pastor estuprou e matou filho e enteado em Linhares

Segundo delegado, o pastor ateou fogo ao filho e ao enteado com os dois ainda vivos
A informação da Polícia Civil, de que o pastor Georgeval Alves Gonçalves, de 36 anos, matou o próprio filho Joaquim Alves Salles, de 3 anos e oenteado Kauã Salles Butkovsky, de 6 anos, na residência deles, em Linhares-ES, na madrugada de 21 de abril, deixou a população perplexa, num clima de indignação e tristeza.

O corpo de bombeiros usou tecnologia para realizar testes que desmentiram as alegações feitas pelo pastor, depois da morte das crianças.

Não há qualquer indício de co-autoria, participação ou conivência por omissão da mãe das crianças, a pastora Juliana. Nos autos não há qualquer indicativo de participação dela.

Depois de 31 dias de investigação, as autoridades disseram considerar o inquérito finalmente concluído. Até a próxima semana, a conclusão deverá ser encaminhada ao ministério público e ao Tribunal de Justiça do Espírito Santo.

O secretário de segurança do Espírito Santo avaliou o pastor suspeito de matar o filho e o enteado: “Esse caso nos deixam estarrecidos pela monstruosidade (aqui eu falo como pai) e pela perversidade. As investigações, os laudos produzidos são esclarecedores, são definitivos e inegáveis. Nós estamos lidando sim, com um monstro. Não resta dúvidas que o incêndio teve como causa a ação humana.

O monstro, conhecido como Pastor George Alves, foi preso no dia 28 de abril, por atrapalhar as investigações, mudando inclusive o cenário do crime. Ele é acusado de ter estuprado as crianças e depois ateado fogo nas mesmas, para tentar dissimular o crime.

Apesar das alegações do pastor, a polícia percebeu que a versão apresentada por ele era incompatível com os dados colhidos nas investigações. Havia inclusive, resquícios de sangue de um dos meninos no banheiro.

O pastor, suspeito de abusar sexualmente e matar queimadas as crianças, usando um produto inflamável para atear fogo no quarto, será indiciado por duplo homicídio triplamente qualificado e duplo estupro de vulneráveis. Se condenado, poderá pegar até 126 anos de prisão.

Os laudos confirmaram que antes de serem queimados vivos, os meninos foram agredidos e estuprados. Segundo a polícia, a perícia confirmou que as crianças estavam vivas quando foram queimadas. “Eles tinham fuligem na traqueia e o exame demonstrou que ainda respiravam quando começou o incêndio”, explicou André Jaretta, delegado chefe da Regional de Linhares.  Além disso, o delegado chamou atenção para o fato de o pastor não ter acionado o socorro. “Foram os vizinhos que prestaram auxilio”, disse.

Durante o incêndio, o pastor foi para a parte externa da casa e, sem abrir o portão, ficou "andando de um lado para o outro até que transeuntes e vizinhos arrombaram o portão e acionaram os bombeiros". Os vizinhos disseram ter ouvido gritos das crianças. Não houve, no entanto, como salvá-las.

O caso tem gerado uma grande comoção no Espírito Santo. A casa já foi alvo de protestos, com cartazes que traziam dizeres como 'Monstro'. Confira o vídeo:



Aviso do Bocão 64

Caro internauta: A sua opinião sobre esta matéria é muito importante, mas os comentários que você postar nesta página, são de sua exclusiva responsabilidade e não representam a opinião do site. Rode o mouse para baixo, participe, comente e divirta-se.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.